NIC no preventivo, e agora?

Apareceu “NIC” no resultado do seu papanicolau? Se você já fez esse exame ou teve alguma alteração no exame de preventivo do câncer do colo do útero talvez já tenha ouvido falar desta sigla, mas vamos descomplicar.

Esta sigla “NIC” é a abreviatura de Neoplasia Intraepitelial Cervical.

Porém, atualmente a forma correta para descrever as alterações encontradas nas células do colo do útero seria o termo Lesão Intraepitelial Cervical e ela pode ser dividida em lesão de baixo e alto grau.

O grande causador dessas alterações celulares é o famoso vírus do HPV.

A infecção persistente pelos tipos virais de HPV de alto risco oncogênico pode levar ao câncer do colo do útero.

O câncer do colo do útero, também chamado de neoplasia invasiva do colo do útero, é precedido por um longo período de alterações celulares. Resumidamente, antes de uma ferida virar o câncer, podemos notar as alterações pré-neoplásicas (pré-câncer). Essas lesões ficam limitadas ao epitélio escamoso do colo, que é o tecido mais superficial, que recobre o colo do útero.

Ao olhar no microscópio as células coletadas no preventivo ou durante à colposcopia, é possível identificar essas alterações, como por exemplo a NIC.

NIC I vista na colposcopia. A ferida corresponde às áreas mais claras.
NIC 2 vista na colposcopia. A ferida corresponde às áreas mais claras.
NIC 3 vista na colposcopia. A ferida corresponde às áreas mais claras.

A NIC é classificada em graus 1,2 e 3 e esta diferenciação se faz através na análise do tecido celular.

Quanto maior o grau da ” NIC” maior a espessura do epitélio acometido e maior a proporção de células indiferenciadas – que sofreram com a ação do HPV e têm maior chance de evoluir para o câncer. Assim, os graus 2 e 3 apresentam uma maior gravidade que o grau 1. Isso é importante, pois o tratamento é diferente em cada caso.

Mas o mais importante disso tudo é que o câncer de colo uterino pode ser evitado através do diagnóstico precoce e do tratamento de suas lesões precursoras – NIC.

Portanto, se você tem alguma alteração no exame preventivo do câncer do colo do útero, converse com seu ginecologista para entender melhor do que se trata e como pode ser tratada. Na maioria das vezes, quando indicado, o tratamento é realizado ao se tirar a ferida.

Fonte das imagens: Sellors, John W. La colposcopia y el tratamiento de la neoplasia intraepitelial cervical: manual para principiantes Washington, D.C.: OPS, © 2003.