Menstruação e danos ao Meio Ambiente.

Hello! “Menstruação e danos ao meio ambiente”?? Se você clicou aqui imaginando que eu ia falar pra você parar de menstruar, ou que menstruação é sangue sujo etc e etc., se enganou. No entanto, se você é Mulher Descomplicada há um tempo, sabe que nunquinha esse seria um assunto aqui no blog, pois falamos de Ciência!

O que eu vim falar aqui hoje é sobre o impacto ambiental causado pelos absorventes descartáveis. Isso mesmo, pois estima-se que uma mulher utilize cerca de 10 mil absorventes desde a sua primeira menstruação até a menopausa. Isso sem contar com os absorventes de uso diário (aqueles, pra evitar a umidade natural que mancha a calcinha).

Então, vamos combinar que isso faz parte da vida de todas nós! O absorvente descartável surgiu na década de 30 como uma alternativa prática, libertadora e moderna para as mulheres.

Tá, mas o que isso tem a ver com o meio ambiente?

Como eu disse anteriormente, uma mulher pode utilizar mais de 10 mil absorventes na vida. Mas agora, imagine toda essa quantidade de lixo gerada multiplicada pelo número de mulheres de todo o mundo?

Nesse ano foi realizado um estudo na Suécia que avaliou todo o processo de produção, consumo e pós consumo dos absorventes descartáveis externos e internos.

Primeiramente: a matéria-prima desse produto vem do petróleo (plástico) e de árvores (celulose). A produção de plástico precisa de grande quantidade de energia e cria resíduos que demoram centenas de anos para serem degradados. A utilização da celulose precisa ser fiscalizada (se a origem é de madeira certificada), o que, infelizmente, nem sempre acontece. Assim, as embalagens, transporte e etc., também têm impacto ambiental.

No Brasil, esses absorventes não podem ser reciclados e vão para os aterros sanitários. Sua decomposição demora 100 anos! Sem contar as substâncias químicas (dioxina) utilizadas na fabricação desses produtos, que contaminam o meio ambiente.

Quando jogados no vaso sanitário, chegam ao oceano. Além de permanecerem por lá por muitos e muitos anos, podem ser engolidos por animais, e vocês já sabem o final horrível dessa história. Os absorventes internos estão presentes em diversas listas de lixos encontrados nos oceanos.

O gasto de energia, os produtos utilizados para a produção -plástico, água, pesticidas e fertilizantes (no caso de absorventes internos) e a quantidade de lixo gerada geram sim danos significativos ao meio ambiente.

Alguns países estão estudando alternativas de absorventes recicláveis ou compostáveis, porém ainda não são comercializados aqui no Brasil.

Outro estudo foi feito para saber se as pessoas têm ideia do impacto ambiental dos absorventes. O resultado: a maioria das pessoas entrevistadas não têm consciência sobre esse dano causado pelos absorventes ao meio ambiente. Posso confessar que eu ainda uso de vez em quando esses produtos… Por isso quis plantar aqui no blog essa sementinha.

Por enquanto temos algumas alternativas mais sustentáveis para usar durante o período menstrual. São os coletores, as calcinhas e absorventes reutilizáveis (sei que de início parecem métodos meio estranhos, mas por experiência própria, vale a pena deixar o preconceito de lado e experimentar).

Fonte: Peberdy E., Jones A., Green D.: A Study into Public Awareness of the Environmental Impact of Menstrual Products and Product Choice, Sustainability, 2019, vol. 11. pg 473; Mazgaj M., Yaramenka K., Malovana O.: Comparative Life Cycle Assessment of Sanitary Pads and Tampons GROUP 6, 2019. Foto de capa: Justin Hofman em Sumbara Island, na Indonésia