DIU de cobre versus DIU hormonal

Olá girls! Sei que já fizemos alguns posts falando sobre os dispositivos intrauterinos (DIUs), inclusive um tirando algumas dúvidas enviadas…  Mas agora, para descomplicar mais um pouquinho este assunto, criamos uma tabela com as principais diferenças entre o DIU não medicado (de cobre) e o medicado (hormonal).

COMPOSIÇÃO:

  • DIU de cobre: haste plástica (polietileno) em forma de T com filamento de cobre enrolado.
  • DIU hormonal: haste plástica (polidimetilsiloxano) em forma de T contendo 52mg do hormônio progesterona chamado Levonorgestrel.

COMO IMPEDE A GESTAÇÃO:

  • DIU de cobre: o cobre provoca uma intensa resposta inflamatória que mata os espermatozoides antes de eles encontrarem o óvulo (leia mais aqui).
  • DIU hormonal: impede que o espermatozoide entre no útero para encontrar o óvulo (leia mais aqui).

DURAÇÃO:

  • DIU  de cobre: 10 anos.
  • DIU hormonal: 5 anos.

CUSTO:

  • DIU  de cobre: 60 a 100 reais.
  • DIU hormonal: 700 a 800 reais.

DISPONIBILIDADE NO SUS:

  • DIU  de cobre: Sim.
  • DIU hormonal: Não.

CHANCE DE FALHAS:

  • DIU de cobre: 6 a 8 falhas em cada 1.000 usuárias (0,6 a 0,8 %).
  • DIU hormonal: 2 falhas em cada 1.000 usuárias (0,2%).

BENEFÍCIOS:

  • DIU de cobre: Evita gravidez – Dura mais tempo – Custa menos – Pode ser usado por quem não pode utilizar hormônio.
  • DIU hormonal: Evita gravidez – Falha menos – A maioria das mulheres fica SEM MENSTRUAR após os seis primeiros meses de uso.

PRINCIPAIS EFEITOS COLATERAIS:

  • DIU de cobre: Cólica – Aumento do fluxo menstrual.
  • DIU hormonal: Sangramento irregular nos primeiros seis meses – Naúsea – Acne – Depressão – Enxaqueca – Dor nas mamas – Cistos ovarianos.

CONTRA INDICAÇÕES:

  • DIU de cobre: Mulheres que menstruam demais ou apresentam muita cólica menstrual – Gravidez – Infecção ginecológica – Doença sexualmente transmissível no último ano – Malformação uterina que distorça a cavidade onde o DIU é inserido – Câncer de útero ou colo de útero – Sangramento uterino de origem desconhecida – Alergia ao cobre.
  • DIU hormonal: Gravidez – Infecção ginecológica – Doença sexualmente transmissível no último ano – Malformação uterina que distorça a cavidade onde o DIU é inserido – Câncer de útero ou colo de útero – Câncer de útero ou colo de útero – Sangramento uterino de origem desconhecida – Doença hepática aguda – Tumor hepático – Alergia a qualquer um dos componentes.

 

Se você ainda não viu os outros posts, vale a pena dar uma olhadinha, pois neles falamos um pouco mais sobre este método contraceptivo reversível, de longa duração e muito eficaz.

Fonte: Bula dos dispositivos