Descomplicando a pílula do dia seguinte

Olá descomplicadas! Hoje vamos falar de um assunto que causa muita dúvida nas mulheres: a pílula do dia seguinte!

A pílula do dia seguinte é um método contraceptivo de emergência e deve ser usado pela mulher após uma relação sexual desprotegida e que poderia resultar numa gestação indesejada. É utilizada também nos serviços de atendimento à mulher vítima de violência sexual.

É importante esclarecer que este deve ser um método contraceptivo de exceção, ou seja, deve ser usado eventualmente, na falha de outros métodos. Em hipótese alguma deve ser usado regularmente após todas as relações, uma vez que é composto de uma dose altíssima de hormônio, causando um descompasso hormonal, bem como possui uma taxa de falha superior ao métodos tradicionais, resultando em maior número de gestações.

No Brasil, as pílulas do dia seguinte são compostas por um progestágeno, o levonorgestrel, que normalmente é vendido em caixas com duas pílulas de 0,75 mg, que podem ser tomadas juntas, para facilitar o não esquecimento, ou podem ser usadas em duas doses com intervalos de 12 horas. Já existem no mercado algumas pílulas com 1,5 g de levonorgestrel, que é usada em dose única apenas.

E a pílula é abortiva? NÃO! Seu mecanismo de ação consiste em:

1- retardando a ovulação – ocorre em 85% dos casos quando usada corretamente

2- dificultando o transporte dos espermatozoides e do óvulo pela Trompas de Falópio

3- modificando o muco cervical, torando hostil à entrada dos espermatozóides

Dos três mecanismos, o mais importante é a inibição da ovulação, por isso a indicação do uso é imediatamente após a relação, podendo ser usada até o quinto dia após. A eficácia do método depende do momento em que foi utilizado. Se tomado corretamente e dentro do prazo de 72 horas, tem eficácia de 97%. Portanto, quanto mais tarde você tomar, menor a chance de ter efeito.

Importante frisar que se o levonorgestrel for tomado após o embrião já ter sido implantado ao útero, não terá efeito algum sobre a evolução da gravidez. E única contraindicação para o uso da contracepção de emergência considerada como Categoria 4 pelos Critérios de Elegibilidade em anticoncepção pela OMS é a gravidez confirmada!

Após tomar a pílula do dia seguinte, a menstruação poderá ocorrer até 10 dias antes ou depois da data esperada, mas em grande parte dos casos a menstruação ocorre na data esperada com uma variação de 3 dias para mais ou para menos. Se ficar em dúvida quanto ao atraso menstrual, procure seu médico para descartar uma possível gestação.

Se você já faz uso de contraceptivo oral, e usou a pílula do dia seguinte por ter esquecido um comprimido, o uso pode ser continuado conforme a cartela, porém o ideal é que você use camisinha nas próximas relações até que ocorra a menstruação.

Os efeitos colaterais mais comuns são náuseas e vômitos, e mais raramento fadiga, dor nos seios, dor de cabeça e cólicas. IMPORTANTE: se você vomitar até quatro horas após a ingestão da pílula, repita o esquema.

Use este método apenas na EMERGÊNCIA! Existem inúmeras opções para evitar uma gravidez indesejada. E a pílula do dia seguinte não previne contra doenças sexualmente transmissíveis. Converse com seu médico, e descubra qual melhor se encaixa para você! Um beijo com responsabilidade! Até o próximo post!

Referências:  http://www.anticoncepcao.org.br/html/manual/manual.htmhttp://febrasgo.org.br/arquivos/Mfanual_Anticoncepcao_web.pd