Descomplicando o Espermicida

Hello meninas! O tema de hoje, “Descomplicando o Espermicida”, foi um pedido de uma de nossas leitoras. Tem esse nome estranho, parece que é um veneno para espermatozóides… e é isso mesmo que ele é! Calma, vou explicar para vocês!

Como o espermicida age?

O espermicida, como a camisinha e o diafragma, é considerado um método anticoncepcional de barreira. Porém, ao invés de fazer uma proteção mecânica (impedir o caminho dos espermatozóides até o óvulo), ele também age quimicamente. Ou seja: são substâncias químicas que quando colocadas na vagina comprometem (matam ou paralizam) o espermatozóide. Ele não interfere nos espermatozóides que estão dentro do corpo do homem ok? Só os que já saíram através da ejaculação.

Existem várias formas de apresentação desse método anticoncepcional: cremes vaginais, esponjas, comprimidos… mas infelizmente alguns deles não encontramos para vender no Brasil. Aliás, como é difícil achar espermicida para comprar nas farmácias! A substância que tem maior eficácia e por isso a mais utilizada é o nanoxinol-9.

Como devo usar?

Quem usa esse método é a mulher. O espermicida deve ser colocado de 10 a 15 minutos antes da relação sexual, o mais perto possível do colo do útero (lá no fundo da vagina). Ele age por no máximo 2 horas, então, tudo tem que acontecer nesse intervalo! Se for ter uma nova relação, tem que aplicar de novo. O ideal é usar junto com a camisinha ou o diafragma. Ah! Não pode fazer ducha vaginal nas próximas 6 horas, pois o sabão neutraliza a ação do espermicida (aliás, ducha vaginal é uma coisa que não se faz!)

É um método seguro?

Se você pretende usar o espermicida como único método anticoncepcional, não é uma boa ideia. A FEBRASGO (Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia), classifica esse método, junto com o coito interrompido como métodos pouco efetivos. E não é por menos: a taxa de falha pode chegar a 29%. Isso significa que de 100 mulheres que usam só esse método, 29 vão engravidar. Maaas aumenta, e muito, a eficácia da camisinha quando associados (camisinha + espermicida = 99,9% de eficácia!). Só que tem quer ser um mais o outro. Aqueles preservativos que já vêm lubrificados com o espermicida não são mais eficazes que o preservativo comum.

 

Você não precisa de receita para usar o espermicida. De qualquer maneira, é sempre bom consultar sua ginecologista antes de iniciar um anticoncepcional. Como em qualquer método, o espermicida também tem algumas contraindicações, como mulheres que têm infecção urinária de repetição ou mulheres em grupo de risco de adquirir HIV (se usado com frequência o nanoxinol-9 agride o epitélio – células da “pele”- da vagina, aumentando o risco de transmissão do HIV).

Em um próximo post vamos falar sobre as vantagens e desvantagens desse método!

Até!

Fonte: (1) Manual de Anticoncepção FEBRASGO, Femina 2009; (2) Consenso sobre Contracepção 2011, Sociedade Portuguesa de Contracepção;