Descomplicando o anel vaginal

Todo mês esquece de tomar uma ou duas pílulas, só de pegar a cartela na mão tem vontade de vomitar e injeção nem pensar, porque tem medo de agulha???

Agora imagine um método contraceptivo, que não precisa lembrar diariamente, que não dá náuseas e é indolor? Seria possível??? A resposta é: Simmmm!!! O anel vaginal.

Hã? Como assim? O que é isso? Funciona?

Vamos tentar descomplicar isso pra você:

O anel vaginal contraceptivo é um método hormonal que contém estrogênio e progesterona, e inibe a ovulação. Tem formato de anel, feito de silicone, medindo 5,5cm de diâmetro, transparente e flexível.
Quando usado de maneira correta, ou seja, lembrar de trocar uma vez no mês, tem eficácia de 99,7%.

E não é nada difícil de colocar (você mesma fará isso): com as mãos limpas, você aperta o anel com o dedo indicador e polegar formando um “8” e introduz dentro da vagina. Depois empurra com o dedo indicador (bem parecido com colocar absorvente interno). Ficará com ele por 3 semanas.

anel colocar

Para retirar, introduza o dedo indicador, “pesque” o anel e pronto. Você irá aplicar um novo anel após uma semana. Lembre-se: o anel é flexível e sua utilização indolor. A posição para isso é a que for mais confortável pra você, sentada, em pé, cócoras…

anel 2

Na hora da relação raramente o parceiro sente a presença do contraceptivo, não tenha medo disso. E se por acaso escapar no calor das emoções, o anel pode ficar até 3 horas fora da vagina. Depois, lave com água fria e recoloque.

Esse método não substitui a camisinha, pois não previne as doenças sexualmente transmissíveis. Como todo método contraceptivo, este também segue critérios de elegibilidade (se você tem indicação ou contra-indicação para seu uso).

Descomplicou? Interessou? Quer saber mais? Procure seu médico e tire suas dúvidas.

Imagem: Rodrigo Tonan