Descomplicando a Minipílula

Hello gente! Muitas de vocês pediram para escrevermos um post descomplicando a minipílula. Pois bem, aqui estou!

A minipílula é o nome dado aos anticoncepcionais orais que contêm apenas um tipo de hormônio: a progesterona.

Assim, as principais indicações para o uso desse método são todas as condições em que se deve evitar o uso de estrogênio. Como exemplo de indicação mais comum, podemos usar as mamães que amamentam. Porém, as mulheres com hipertensão arterial sistêmica (pressão alta), obesas, tabagistas, com histórico de trombose e etc., também têm a minipílula como opção. Existem algumas contraindicações para seu uso, por isso é importante conversar com seu médico antes de iniciar qualquer anticoncepcional.

A forma de uso da minipílula é um pouco diferente da dos anticoncepcionais combinados (se você não sabe o que é isso, descomplique aqui). Você deve tomar um comprimido por dia, SEM PAUSAS, mesmo se estiver menstruada! Para as mamães que acabaram de ter bebê, geralmente iniciamos o uso 6 semanas após o parto, ou no mínimo 14 dias antes de iniciar a atividade sexual.

E qual o seu mecanismo de ação?

As pílulas só de progesterona atuam principalmente no muco cervical, que fica mais espesso, dificultando a passagem do espermatozoide. Também agem no endométrio (camada interna do útero), deixando-o bem fininho, impróprio para a gestação. O bloqueio da ovulação, não é ação esperada desse método. Pode até ocorrer, só que em um grau menor do que o provocado pela pílula combinada.

A sua eficácia é um pouquinho inferior à dos anticoncepcionais combinados, estando a sua taxa de falha ao redor de 0,5 a 2,5% ao ano. Mas calma!!! As minipílulas mais prescritas atualmente, contêm uma progesterona chamada desogestrel, que na dose de 75 µg (como vem no comprimido) tem uma capacidade de inibir a ovulação próxima à das pílulas combinadas e sua eficácia é muito parecida.

Agora preste atenção: é essencial um rigor muito grande no uso! Tem que tomar todo santo dia e respeitar inclusive o horário das tomadas. A eficácia contraceptiva pode ser perdida em 27 horas após a última dose! (Então se esqueceu, tome imediatamente o comprimido e não esqueça a camisinha!)

Ao usar esse método contraceptivo pode acontecer de você não menstruar, ficar em “amenorreia”, ou ainda, podem ocorrer sangramentos irregulares (que são comuns). Não precisa se assustar, apenas comunique seu ginecologista! Além disso, algumas mulheres podem apresentar acne, dor nas mamas, náuseas, aumento de peso, alterações do humor e diminuição da libido.

Ah! Mais uma coisinha: a minipílula não te protege de contrair Infecções Sexualmente Transmissíveis, então já sabe né? CAMISINHA! Até mais!

FONTE: (1)Manual de Anticoncepção, FEBRASGO. (2)LUBIANKA, J. e WANMACHER, L. Conduta Baseada em Evidências sobre Medicamentos utilizados em Atenção Básica em Saúde- Uso Racional de Contraceptivos Hormonais; Ministério da Saúde, 2011.