Descomplicando a Ginecologia Natural

Ultimamente você deve ter ouvido falar cada vez mais sobre a Ginecologia Natural. Mas o que será isso? O que tem de diferente?

A Ginecologia Natural é um movimento que busca resgatar a autonomia da mulher, o autoconhecimento e o conhecimento ancestral. Os tratamentos são baseados prioritariamente em plantas e a ideia é fugir da medicalização da medicina e desmitificar os tabus que envolvem a sexualidade feminina e a menstruação, por exemplo.

A procura pela Ginecologia Natural cresce a cada dia. Primeiramente, isso é justificável, pois muitas mulheres, infelizmente, experimentaram situações desconfortantes nas consultas com um ginecologista. Seja por não se sentirem acolhidas, seja por não se sentirem confortáveis com o exame físico, por não entender o motivo de ter recebido a prescrição de algum medicamento. Ou ainda, por sentirem que o médico é contra um ou outro método anticoncepcional (principalmente os não-hormonais).

Nem 8 nem 80.

A necessidade de humanização da medicina é urgente. Não tem como discordar. Vemos atualmente o abandono da boa anamnese (aquela conversa inicial com o médico onde a mulher conta o que a incomoda, como é seu dia a dia, etc) e do exame físico. Portanto, a solicitação de exames excessiva e prescrição de muitos medicamentos é uma realidade a ser combatida em todas as especialidades.

Agora, temos que cuidar muito com quem, por exemplo, desestimula uma mulher a fazer seu exame preventivo ou a visitar um bom ginecologista rotineiramente. Essas são práticas que comprovadamente diminuem a mortalidade por doenças como o câncer de mama e o câncer de colo do útero. Ou ainda reduzem complicações como a infertilidade decorrente de doenças que tiverem seu diagnóstico e tratamento atrasados (como infecções ou endometriose, por exemplo).

A Ginecologia Natural não é uma especialidade médica regulamentada.

Não existe Médico Especialista em Ginecologia Natural. Existe médico que pratica a Ginecologia Natural.

Não podemos desvalorizar a utilização do conhecimento antigo e muito menos a ação de alguns fitoterápicos que têm certa eficácia quando comparados ao placebo como por exemplo a Vitex Agnus Castus, utilizada para o tratamento de alguns sintomas da TPM.

Muito cuidado em seguir orientações de blogs sem fundamentação científica, ou dicas de redes sociais como “coloque um dente de alho na vagina para tratar candidíase”. Conheça como seu corpo funciona. Sempre. Essa é, inclusive, uma boa maneira de notar que algo está diferente e precisa ser investigado.

O auto-conhecimento da mulher deve ser sempre estimulado.

Pergunte! Procure um ginecologista que te escuta, que te faça sentir confortável na consulta e tire suas dúvidas. Isso é o mínimo que seu médico deve te oferecer, pois isso é atendimento humanizado e medicina baseada em evidências, que prega ouvir a história do paciente, enxergar a pessoa como um todo e não como “um órgão”. Os exames complementares devem ser solicitados apenas se necessário, os medicamentos devem ser prescritos apenas se preciso, seguindo os estudos científicos e com o conhecimento e desejo da mulher.

E você, o que acha da Ginecologia Natural?

Imagem da capa: Priscila Barbosa (veja mais sobre ela: https://www.instagram.com/priii_barbosa/?hl=pt-br )