Descomplicando a Amamentação Cruzada

Hello meninas! Hoje vamos descomplicar a amamentação cruzada, que é o nome dado para quando uma mãe amamenta o bebê de outra pessoa. Resolvemos fazer esse post “emergencial” pois mais uma vez essa prática apareceu na televisão como se fosse uma boa coisa.

Obviamente, sabemos que por trás desse ato há uma boa intenção: ajudar uma mamãe que não consegue amamentar. E você pode estar pensando:

Se a mulher tem leite de sobra, por que não dar para outro bebê?

Porque é perigoso. A amamentação cruzada é contraindicada desde 1985 pela Organização Mundial da Saúde e Ministério da Saúde devido ao risco de transmissão de doenças como o HIV e a hepatite B. O leite materno ou feridinhas abertas no mamilo (que são super comuns) podem transmitir doenças para o bebê. Algumas doenças podem não dar sintomas por um período, e oMesmo que a mulher esteja se sentindo bem e tenha exames normais, pode ser perigoso pois existe uma coisa chamada janela imunológica (período em que a pessoa já está com o vírus, mas os exames de sangue ainda estão normais) e nesse período o bebê corre o risco de contrair alguma doença.

Por isso, caso alguma mamãe esteja com dificuldade para amamentar seu bebê, deve procurar ajuda com seu ginecologista, pediatra, enfermeiras especializadas em amamentação e em alguns casos pode ser necessário recorrer a um Banco de Leite Humano.

Mas qual a diferença do leite do Banco de Leite, se também é leite de outra pessoa?

A grande diferença é que no Banco de Leite, o leite materno passa por um processo de Pasteurização, que faz com que o leite fique tratado, e não transmita doenças.

Lembramos que o leite materno é o MELHOR alimento para o bebê. Mas mesmo que a mulher tenha a melhor das intenções, ela não deve amamentar o filho de outra pessoa.

Até!

FONTE: IFF – Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira. Fio Cruz.
Imagem de capa revista Veja- Abril.