5 Fatos sobre o Cordão Umbilical

Hello! Há tantos mitos sobre o cordão umbilical, que hoje resolvi vir contar a vocês 5 fatos sobre essa maravilhosa estrutura, que tem uma função essencial num momento específico da nossa vida.

1. O cordão umbilical liga o feto à placenta.

Isso mesmo. O cordão umbilical é um anexo exclusivo dos mamíferos e permite a comunicação entre o bebê e a placenta. É essa estrutura que leva o sangue rico em oxigênio e nutrientes da placenta ao feto e que “devolve” o sangue rico em gás carbônico e pouco oxigênio e com substâncias a serem excretadas para ser renovado. Também é pelo cordão que o bebê recebe anticorpos da mãe.

2. O cordão não se liga ao umbigo da mãe.

Muitas mulheres grávidas se queixam que sentem uma sensação esquisita no umbigo, e que isso deve ser o bebê puxando o cordão. Mas pasmem! O nosso umbigo é a cicatriz do local onde o nosso cordão umbilical nos ligava à placenta dentro do útero de nossa mãe. Assim, o cordão do bebê não tem relação alguma com o umbigo da mãe.

3. Tem sua própria proteção.

O cordão umbilical geralmente tem 3 vasos: duas artérias e uma veia. As artérias transportam sangue, com pouco oxigênio do feto para a placenta. Ali, o sangue fetal recebe oxigênio e nutrientes da mãe, e volta ao feto através da veia umbilical.

Esses vasos são envolvidos pela geleia de Wharton, uma substância gelatinosa rica em proteoglicanos. A função dessa geleia é manter os vasos sanguíneos do cordão próximos e protegê-los evitando, por exemplo, sua compressão que poderia prejudicar a circulação do sangue.

4. Circular de cordão não impede o parto normal.

Já falamos isso aqui. Você agora já sabe que o cordão tem sua proteção natural. Essa proteção permite que mesmo enrolado no pescoço do bebê, o fluxo de sangue seja mantido. A cada 10 partos, observamos cerca de 3-4 a presença de circular de cordão no bebê. Lembro que o feto respira pelo cordão e não pelo nariz.

Infelizmente a circular recebe “a culpa” por muitos dos desfechos ruins. Mas sabemos que ao monitorar a frequência cardíaca fetal e a evolução natural do parto, conseguimos na maioria das vezes antecipar os casos, raros, em que a circular impediria a descida do bebê ou causaria sofrimento fetal.

5. É rico em células tronco.

O sangue do cordão umbilical é rico em “stem-cells”, as células-tronco. Essas células são capazes de se diferenciar em outros tipos celulares. Por isso o cordão umbilical atualmente é muito estudado.

Atualmente, o sangue do cordão é utilizado para transplante de medula, já que as suas células-tronco podem se diferenciar em células do sangue.

Você sabia de tudo isso?

Até.